terça-feira, 29 de dezembro de 2015

ITBI passa de 2% para 3% do valor do imóvel no DF a partir de sexta

Câmara autorizou aumento em maio como medida para elevar arrecadação.
Imposto incide sobre transmissão de imóveis entre pessoas vivas.

O Imposto para Transmissão de Bens Imóveis Inter–vivos (ITBI) fica mais caro a partir da próxima sexta-feira (1º) no Distrito Federal, quando a taxa passa de 2% para 3% do valor do imóvel. O aumento foi aprovado em fevereiro pela Câmara Legislativa como parte do "Pacto por Brasília", pacote de medidas do Poder Executivo para reforçar os cofres do governo.

A mudança vale para venda de imóveis acima de R$ 250 mil. A contribuição é paga no momento da transação. Quem pretende adquirir um imóvel tem de pagar o tributo, lavrar uma escritura com as assinaturas de todas as partes envolvidas na transferência e registrar o imóvel em seu nome.

Por conta da alteração, cartórios de Brasília tem apresentado grande movimentação nos últimos dias do ano.

A empresária Maria de Fátima Barros comprou um imóvel em 2015, já pagou o ITBI e realizou a lavratura do imóvel, mas pretendia registrá-lo no ano que vem. "Não tem condições né? Com 2% já é difícil, imagina com 3%."
O secretário de Fazenda do DF, Hormínio de Almeida, diz que a divulgação das regras de cobrança da nova alíquota foi realizada apenas na última semana quando surgiram dúvidas dos contribuintes. "Esse ato declaratório visa fixar que aqueles contribuintes que levarem o título para anotação no cartório de registro de imóveis vão pagar 2%"

Pacto
Segundo o governador Rodrigo Rollemberg, as 21 medidas anunciadas em janeiro representam uma economia de R$ 200 milhões até o final do ano e um aumento de R$ 400 milhões na arrecadação. Para ele, as propostas são "essenciais, mas ainda insuficientes" para solucionar a crise.

Segundo a Secretaria de Fazenda, mesmo com previsão de arrecadar R$ 800 milhões a mais em 2016, a folha de pagamento do biênio já está comprometida em R$ 1,8 bilhão.

quinta-feira, 24 de dezembro de 2015

IPTU em Nova Friburgo, RJ, é reajustado em mais de 10%

Novos valores passam a valer em 2016.
 

Imposto pode ser pago em cota única ou parcelado. 

A Prefeitura de Nova Friburgo, Região Serrana do Rio, reajustou o IPTU 2016 do município em 10,33%. o decreto foi publicado em Diário Oficial na última sexta-feira (18) e os contribuintes podem pagar o imposto em cota única, com pagamento até o dia 19 de fevereiro, com 10% de desconto.

O pagamento em dez cotas e vencimentos sem desconto também pode ser feito no dia 19 de cada mês. Segundo informações do município, no mês que tiver o dia 19 caindo no sábado ou domingo, o vencimento da cota será no primeiro dia útil subsequente.

Os contribuintes que tiverem o endereço de seu imóvel predial atualizado na prefeitura receberão o carnê pelos correios.‭ ‬O boleto também poderá ser impresso na Internet.‭ ‭ ‬‬No site da Prefeitura, é só digitar no campo próprio a inscrição municipal do imóvel e imprimir os boletos para pagamento.

quarta-feira, 23 de dezembro de 2015

IPTU 2016 do Rio é corrigido em 10,71%

18/12/2015 15:10:00

 
Foi divulgado hoje (18/12) pelo IBGE, o Índice de Preços ao Consumidor Amplo Especial (IPCA-E). O percentual de 10,71% serve de base para a atualização monetária do IPTU 2016 e corresponde à correção da inflação no acumulado do ano.
 
 A Secretaria de Fazenda enviou aos contribuintes com cotas do IPTU 2015 em atraso, comunicados com guia para pagamento do imposto. Aqueles que optarem por regularizar a dívida ainda este ano, não terão o valor do débito corrigido pela a inflação.
 
 
Calendário de vencimentos - Desconto de 7% é mantido para cota única
 
A Prefeitura do Rio publicou no Diário Oficial do dia 8/12 os Decretos nº 41077 e 41078 que estabelecem o cronograma de pagamento do IPTU 2016.  Os carnês do imposto vão chegar às mãos dos contribuintes com datas de vencimento diferenciadas, que variam de acordo com o número final da inscrição imobiliária do imóvel.  Os que possuem final de 0 a 5 devem pagar a cota única ou a primeira parcela do imposto no dia 3/2. Os demais, com final de inscrição de 6 a 9 têm a data de 4/2 para realizar os mesmos pagamentos. O contribuinte que escolher pagar o imposto em cota única garante desconto de 7% no valor total do carnê, o mesmo percentual concedido em 2015.
 
Os contribuintes que, por meio do programa da Nota Carioca, direcionaram créditos e garantiram abatimento no IPTU 2016, já receberão os carnês com o valor do imposto reduzido. A cobrança será enviada aos imóveis da cidade ao longo do mês de Janeiro. A segunda via estará disponível nos postos de atendimento da Secretaria Municipal de Fazenda, a partir do dia 22 daquele mês.
 
Conheça o calendário:
 
Final
De
Insc.
Pagto.
À vista
c/ desc.
 

cota
 

cota
 

cota
 

cota
 

cota
 

cota
 

cota
 

cota


cota
 
10ª
cota
0 a 5
 
03/02
03/02
10/03
11/04
10/05
10/06
11/07
10/08
12/09
10/10
10/11
 
6 a 9
04/02
04/02
11/03
12/04
11/05
13/06
12/07
11/08
13/09
11/10
11/11



terça-feira, 15 de dezembro de 2015

5 cobranças do dia a dia que são ilegais

SÃO PAULO – Embora seja algo que todos os consumidores devem ter na cabeça, os direitos do consumidor normalmente são desconhecidos e, por isso, os consumidores podem acabar sendo prejudicados em algumas situações.


1. Comanda perdida 

Bares e baladas comumente cobram multas do consumidor que perde a comanda no local, mesmo sendo algo ilegal. A responsabilidade de controlar o que está sendo consumido não é do cliente, mas sim do próprio estabelecimento.
Da mesma maneira, é proibido estabelecer uma consumação mínima nos estabelecimentos – para o Procon, funciona como uma espécie de venda casada, o que é proibido pelo Código de Defesa do Consumidor.


2. Histórico escolar 

Nenhuma instituição de ensino, mesmo particular, tem a permissão de cobrar uma taxa além da mensalidade para emitir históricos escolares ou diplomas. Isso é válido para o ensino fundamental, médio, superior ou técnico.


3. Financiamento de automóveis 

Normalmente são cobradas taxas de abertura de crédito, emissão de boleto e liquidação antecipada no momento de financiar um carro, mas essas também são cobranças ilegais.
A única possibilidade em que se pode cobrar é no caso do financiamento por leasing, o arrendamento mercantil, por se tratar de uma locação com possibilidade de compra no término do contrato. Ainda assim, só pode ser cobrada se o valor for liquidado antes de 48 meses.


4. Financiamento de imóveis 

Uma das taxas mais comuns cobradas em casos de financiamento de imóveis é a SATI (Serviço de Assistência Técnica Imobiliária), que corresponde a 0,88% do imóvel e cobre valores referentes ao auxílio jurídico para efetuação do contrato. É uma taxa, entretanto, que não é obrigatório: o cliente tem o direito de não utilizar o suporte e, portanto, não devem ser cobradas despesas dele.
A comissão do corretor também é uma cobrança ilegal, que só deveria ser cobrada quando o próprio consumidor contratou o profissional. Se o corretor está prestando um serviço para a companhia, entretanto, ela é quem deve arcar com o pagamento.


5. Abertura de conta bancária 

TAC (Taca na Abertura de Crédito), TEB (Tarifa de Emissão de Boleto), TEC (Tarifa de Emissão de Carnê) ou TLA (Tarifa de Liquidação Antecipada) são algumas das taxas que não deveriam ser cobradas do consumidor.
Também é proibido exigir cobranças para manter uma conta salário, tarifa de manutenção de contas inativas. É dever do banco informar aos usuários que a conta será fechada após seis meses sem movimentação.

sábado, 12 de dezembro de 2015

Como estabelecer parcerias de longo prazo

02J91838A atividade de corretor não é essencialmente uma atividade solitária, afinal, para atingir bons resultados, o profissional da área imobiliária depende diretamente de outros profissionais. O bom corretor sabe que o networking é determinante para o fechamento de bons negócios e essa rede de contatos não deve se limitar aos clientes. É importante criar e estreitar laços com construtores, donos de imobiliárias e colegas corretores, inclusive de outras imobiliárias.

Embora o setor imobiliário seja altamente competitivo, um corretor não deve encarar o outro como um rival que ameaça o seu sucesso. Pelo contrário! O ideal é vê-lo como um potencial parceiro, que, quando não puder atender determinado cliente, indicará você. Além disso, vocês poderão trocar experiências, construirão um relacionamento profissional sólido e, futuramente poderão partilhar vendas e comissões.

Há casos muito bem-sucedidos de colegas corretores que viraram sócios ao abrirem juntos a própria imobiliária. Além, é claro, de vendedores imobiliários que aumentaram (e muito) seus lucros depois de começarem a fazer parcerias comerciais no regime fifty-fifty (50/50).

 

Jogando algumas ideias por terra

Talvez você tenha ouvido em sua carreira que o corretor deve nutrir a competitividade dentro de si ou quem sabe ouviu que por se tratar de um trabalho autônomo você estaria sozinho no exercício da profissão. Ambos os conselhos estão errados, afinal, você deve nutrir a competência e  profissionalismo bem como reconhecer que sozinho não se chega a lugar nenhum. Pode soar clichê, mas no ramo imobiliário há espaço para todos que trabalharem bem.

É óbvio que se você for um corretor comunicativo, educado e com um bom poder de persuasão, terá diferenciais competitivos em relação aos corretores que não possuem essas características. Mas lembre-se: isso se dá de forma natural e não em decorrência de uma rivalidade imposta e alimentada no seu dia a dia de corretagem. A sua luta não deve ser contra o colega, precisa ser contra o comodismo, deve ser para você se transformar hoje em um corretor melhor do que foi ontem! Esqueça a história do vendedor que atropela qualquer coisa e qualquer pessoa para conquistar uma venda. Se você quiser chegar longe é melhor começar a humanizar a sua profissão!

 

Benefícios de fazer parcerias com outros corretores

Poderíamos ficar horas e horas listando as vantagens de estabelecer parcerias de longo prazo na carreira imobiliária, mas vamos nos deter a alguns benefícios que, sem dúvida nenhuma, são capazes de revolucionar a carreira de um corretor. Veja:
Um corretor que possui outros corretores em seu networking está sempre atualizado. De uma forma ou de outra ele fica por dentro das tendências, dos lançamentos, dos eventos e, consequentemente das oportunidades do setor;

Corretores bem relacionados sempre têm com quem contar. Se ele adoecer ou tiver que viajar, não será difícil encontrar alguém para cobri-lo;
Parcerias de longo prazo são rentáveis, afinal, como já dissemos, é possível compartilhar os lucros de vendas feitas em dupla;
Quando o corretor não encontra o imóvel que procura, ninguém melhor do que outro corretor para ajudá-lo.

 

Conecte-se a outros corretores, recomende e seja recomendado

É importante ampliar e fortalecer a rede de contatos de forma presencial e virtual. Nesse sentido, mantenha o hábito de telefonar para os colegas, aproveitar com eles o happy hour, trocar e-mails e interagir com outros corretores nas redes sociais. Além disso, sempre que necessário (e possível) indique-o. Você verá que ele fará o mesmo por você, não como uma forma de gratidão pontual, mas como prova pública de que são parceiros e acreditam que trabalhando juntos o resultado é positivo para ambas as partes.

segunda-feira, 7 de dezembro de 2015

Gasto com escritura e cartório pode ser deduzido do lucro imobiliário

fabiogallo
07 dezembro 2015 | 05:00
Venda de imóvel: benfeitorias podem ser somadas ao custo (Foto: Marcos Santos/USP Imagens)
Venda de imóvel: benfeitorias podem ser somadas ao custo (Foto: Marcos Santos/USP Imagens)

Meu imóvel é lançado no Imposto de Renda (IR) pelo valor de R$ 480 mil. Estou vendendo por R$ 600 mil. É possível agregar o valor gasto com a escritura e o registro no cartório ao valor do imóvel lançado no IR e assim diminuir o lucro imobiliário? O fundo de reserva que pago mensalmente no meu condomínio também pode ser descontado?

Sim, você pode adicionar aos gastos de compra do imóvel os valores pagos para registro e escrituras em cartório. No valor de compra do imóvel devem ser considerados, além do que foi pago pelo bem em si, os gastos com corretagem (caso tenham sido pagos pelo comprador), juros e encargos de financiamento, registros, escrituras e o valor referente ao Imposto de Transmissão de Bens Imóveis (ITBI). Outros gastos com reformas, benfeitorias e ampliações realizadas no imóvel também podem ser declarados e somados ao custo do imóvel, mas desde que sejam devidamente comprovados com documentação e declarados à Receita Federal. Atente ao fato de que são consideradas benfeitorias apenas as obras que agreguem valor ao imóvel, por exemplo, iluminação embutida ou troca de piso que altere o padrão do apartamento. Até mesmo os gastos com pequenas obras, como pintura, reparos em azulejos, encanamentos, pisos e paredes. Sobre a contribuição mensal ao fundo de reserva, não entendo que tenha essa característica, mesmo porque a obra para alterar o valor do edifício tem que ser aprovada pela prefeitura e com todos os recebidos devidamente guardados. Para conhecer o valor exato do imposto a pagar, em caso de venda de imóvel deve ser usado o Programa de Apuração de Ganhos de Capital (GCap) referente ao ano em que ocorreu a alienação. Acessando o referido programa o contribuinte deve preencher todos os dados da transação. Com base nesses dados o programa irá calcular o valor do ganho de capital correto, considerando, inclusive, os descontos já previstos em lei.